Ao contrário do previsto, Rodrigo Bacellar não declara apoio a Caio e diz que vai se manter neutro

Ao contrário do previsto, Rodrigo Bacellar não declara apoio a Caio e diz que vai se manter neutro

Contrariando todas as expectativas, o deputado estadual Rodrigo Bacellar, filho do ex-vereador Marcos Bacellar, que é inimigo ferrenho de Garotinho, disse nesta quarta-feira (18) que não vai declarar apoio nem a Caio Vianna, nem a Wladimir Garotinho. O anúncio pode ser tido como uma "vitória" para Wladimir Garotinho, que tinha como certo o apoio do grupo de Bacellar a Caio Vianna. 

Rodrigo, aliás, é o responsável pelo segundo turno em Campos. Ele ajudou a colocar o candidato Bruno Calil (SD) em terceiro lugar, fazendo que Caio e Wladimir duelassem o segundo turno.

Em nota, Rodrigo disse. “Respondendo a todos os questionamentos sobre um eventual apoio a algum dos candidatos neste segundo turno, venho a público esclarecer que a posição adotada é de neutralidade. Justamente por não acreditar que nenhuma das chapas que disputam o segundo turno possa trazer alguma coisa positiva para melhorar os serviços e a infraestrutura do município, bem como a vida dos campistas. Os dois grupos já tiveram a oportunidade de governar a cidade e todo mundo se lembra de como foram esses governos e ainda vivemos as consequências dessas administrações. Assim, por não vislumbrar em nenhum dos candidatos a mudança que Campos precisa e merece, prefiro me recolher, na torcida que seja feita a melhor escolha, diante da opinião da população", disse. 

Em outro trecho, Rodrigo esclarece que os vereadores eleitos pelo grupo dele, assim como os suplentes e todas as demais pessoas, têm liberdade para escolher o caminho que bem entendem. "Fazemos a política das ideias e não do cabresto. Como um campista de fé, continuarei torcendo pela nossa querida e amada cidade, sempre. Que vença o melhor. E, independente de qualquer resultado, desde já afirmo que continuarei a ajudar o município naquilo que puder e se fizer necessário, seja na Alerj ou junto ao governo do Estado. Campos é maior que as nossas diferenças e todos nós com mandatos eletivos estamos aqui para, acima de tudo, servi-la de corpo e alma".