CDL de Campos prevê cerca de 15 mil demissões imediatas caso o comércio não seja reaberto

CDL de Campos prevê cerca de 15 mil demissões imediatas caso o comércio não seja reaberto

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Campos realizou, na última quarta-feira (31) em seu auditório, respeitando todos os protocolos de segurança, uma entrevista coletiva do seu presidente, José Francisco Rodrigues e do presidente do Sindivarejo, Samuel Sterck, tendo ainda lugar à mesa os diretores da Casa, Ralph Azevedo Pereira e Norival Manhães Sobrinho

Participaram da coletiva a imprensa, escrita, falada e televisionada, quando as duas entidades – CDL e Sindivarejo-, externaram a premente necessidade de reabertura do comércio, após duas semanas de fechamento, diante da constatação de que 30% das empresas do município ligadas a essa atividade, tendem a não mais reabrir suas portas, o que significa no mínimo 15 mil demissões imediatas, com muitas já em curso.

 Ambas as entidades constataram que o setor em sua maioria, não conseguirá pagar os salários de março, bem como tributos municipais, estaduais e federais, tendo ainda o agravante de que no ato dessas demissões será forçado a postergar o pagamento dos direitos trabalhistas dos funcionários dispensados.

Os presidentes da CDL e do Sindivarejo, reafirmaram que o setor segue rigorosamente os protocolos de prevenção ao contagio da COVID-19 na proteção de colaboradores e consumidores. Acrescentam que em todos os momentos foram atores colaborativos nas medidas tomadas pelo Poder Público para conter a pandemia.

 Desta forma, a coletiva teve como intuito dar luz à um quadro que se aproxima do caos no nosso setor, com sequelas inevitáveis em outros ramos da economia do município. O objetivo difere de uma tomada de posição intransigente. Desde o primeiro momento o comércio tem feito sua parte, inclusive compreendendo as amargas medidas adotadas pela Prefeitura.

 Reafirmamos que continuaremos com as nossas melhores práticas participando dos diálogos com a Prefeitura de Campos, Ministério Público e outros atores inseridos neste contexto de decisões. O que pretendemos é buscar com as autoridades no âmbito do aspecto decisório um denominador comum.