De portas fechadas, comerciantes fazem manifestação próximo à UPA de Campos

De portas fechadas, comerciantes fazem manifestação próximo à UPA de Campos

Dezenas de comerciantes protestaram na BR-101, no trecho que liga Campos à Vitória, próximo à UPA, em protesto contra mais uma semana de portas fechadas em Campos. O prejuízo, segundo eles, é inestimável. Na semana pasada, a própria CDL já havia dito que cerca de 15 mil empregos poderiam ser perdidos caso o comércio não retornasse imediatamente. 

Com cartazes e faixas, os trabalhadores gritaram palavras de ordem. Eles não chegaram a interditar o trânsito, mas também não deixaram de chamar atenção para o que chamaram de "covardia" da atual gestão municipal. "A prefeitura se preocupa só com ela, só com a politicagem. O poder público não quer pensar em novas saidas e acompanha o resto do país, que é o fechamento total de tudo. Se isso funcionasse, já não teríamos mais um caso de covid-19 no país", destaca Jocimar Peixoto, dono de uma loja de roupas em Campos, questionando: 'por que a prefeitura não fecha os bancos, os grandes supermercados? A corda só arrebenta para o lado mais fraco", ressaltou. 

Nos cartazes foram escritas palavras como “luto” e “luta”, além de expressões como “vamos trabalhar”. Mais cedo, em reunião virtual com empresários da cidade, o prefeito Wladimir Garotinho disse entender a dificuldade do comércio, mas que está lutando para abrir mais leitos por conta da pandemia. “Peço mais uma semana para gente fazer a flexibilização de maneira responsável”, prometeu Wladimir. 

Tudo indica que, a partir da semana que vem, o comércio será flexibilizado no sistema de take away.