Investigado na Operação Chequinho, comandante da guarda aparece envolvido em suposto esquema de rachadinha dentro da GCM

Investigado na Operação Chequinho, comandante da guarda aparece envolvido em suposto esquema de rachadinha dentro da GCM

O comandante da Guarda Municipal de Campos, Wellington Levino, apareceu envolvido em um suposto esquema de “rachadinha” dentro da instituição. A denúncia é baseada nos relatos feitos pelo GCM com iniciais R. V., que foi convocado pela Procuradoria do município de Campos para responder a um Processo Administrativo, em decorrência das sucessivas faltas ao serviço.

O jornal Notícia urbana apurou que, na ocasião, o servidor em questão, ciente da sua provável exoneração, alegou que devido a uma outra ocupação que ele mantém como fonte de renda, tinha firmado um acordo com o comando da Guarda Civil Municipal, Wellington Levino, para não trabalhar e pagar o seu salário aos envolvidos no esquema, inclusive o próprio comandante, o que não é permitido pela da instituição e está vedado pelo estatuto do servidor público municipal, o que configura crime.

De acordo com a denúncia, o prejuízo ao erário público beira os R$ 70.000,00 (setenta mil reais) anuais, porque o ponto dele era enviado pra folha de pagamento da prefeitura com acréscimos de horas extras também não trabalhadas pelo servidor.

Além do Comandante Levino, o servidor informou que o esquema iniciou ainda no comando do Major da PM, F. Melo, em 2013, e perdurou até o ano de 2020.
Levino foi o primeiro servidor de carreira a comandar a instituição em setembro de 2014 e, posteriormente, concorreu ao cargo de Vereador, em 2016, no qual acabou não sendo eleito, mas foi investigado pela polícia federal e MPRJ, no esquema de corrupção que envolvia a compra de votos conhecido na época como Operação Chequinho.

O caso do GCM R. V. foi denunciado também ao MPRJ. O inquérito civil público (ICP), está sob a responsabilidade da promotora de justiça Maristela Naurath. O jornal Notícia Urbana entrou em contato com a assessoria da prefeitura e aguarda posicionamento.

Por meio de nota, a prefeitura informou que "toda denúncia envolvendo servidores do Município é avaliada e, após ofertar contraditório e ampla defesa conforme prevê a Legislação, se houver comprovação da denúncia, serão adotadas as medidas cabíveis"