Americano pressiona, mas só empata com America e se complica na Seletiva

Americano pressiona, mas só empata com America e se complica na Seletiva

O Americano tentou de tudo. Pressionou, ficou com um a mais, colocou duas bolas na trave e exigiu defesas incríveis de Deola. O gol, no entanto, não veio, e a equipe ficou no 0 a 0 com o America na tarde deste sábado (28) no Ferreirão, em Cardoso Moreira, pela segunda rodada da Seletiva do Campeonato Carioca.

Com o resultado, o time se distanciou de vez dos líderes - o America, primeiro colocado, tem quatro pontos, contra apenas um do Cano. Dependendo dos resultados da rodada deste domingo (29), o Alvinegro pode virar o ano com cinco pontos de desvantagem para o G-2.

Do lado rubro, mais uma boa apresentação de Deola, com duas intervenções fundamentais. O time perdeu Daniel expulso aos 22 minutos do segundo tempo, mas resistiu bravamente e arrancou um ponto importante. No fim, o consenso que, pelas circunstâncias, o empate foi bom.

Os times agora voltam a campo só em 2020, no dia 4 de janeiro (sábado): o Americano visita o Nova Iguaçu, no Laranjão, e pode ser eliminado caso não vença; já o America recebe a Portuguesa, no Giulite Coutinho. Os dois jogos começam às 15h.

Trave e gols perdidos ditam ritmo do jogo

Massacre seria um termo muito forte, mas a verdade é que o Americano dominou o jogo desde o princípio, mesmo quando os dois times tinham 11 jogadores em campo. Especialmente após a parada técnica, o Cano foi empilhando gols perdidos, causando a apreensão da torcida.

As duas primeiras grandes chances foram de Cláudio Maradona. Aos quatro, da marca do pênalti, de chapa, mandando por cima após ótimo cruzamento de Zeca, e aos 31, esta de maneira inacreditável, invadindo a grande área e chutando para fora no mano a mano com Deola.

Ainda no primeiro tempo, aos 36 minutos, Rogerinho cobrou falta frontal e acertou a trave. E, no último lance da etapa inicial, após cruzamento da direita, Alex Pixote cabeceou e Deola, que quase passou da bola, conseguiu um movimento acrobático para operar um milagre e garantir o 0 a 0.

No segundo tempo, as chances do Cano seguiam aparecendo. Pixote, aos cinco minutos, voltou a acertar a trave de Deola. O zagueiro Gabriel também teve boa chance em cobrança de escanteio, mas cabeceou para fora. E, aos 22, o atacante Daniel, do America, foi expulso por cometer falta de ataque e receber o segundo cartão amarelo.

Quando as coisas pareciam caminhar a favor do Cano, o America passou a ter o contra-ataque. Flamel, no entanto, não conseguiu marcar e parou em Luis Henrique. Esta só não foi a única participação do goleiro na partida pois ele foi para a área nos acréscimos tentar um gol heroico que não aconteceu. Deu tempo, sim, para Deola operar outro milagre aos 47 em chute de Di María.