Cresce consideravelmente a prática de tiro esportivo em Campos e região

Cresce consideravelmente a prática de tiro esportivo em Campos e região

O Tiro é um esporte que faz parte do calendário olímpico desde Atenas, em 1896. Desde então, só ficou fora das Olimpíadas de 1904, em St. Louis, nos Estados Unidos, e em 1928, nas Olimpíadas de Amsterdã, na Holanda.

 Existem três categorias de tiro esportivo, que utilizam armas diferentes. A modalidade esportiva vem crescendo bastante nos últimos anos. Atribuímos tamanha procura ao incentivo do Presidente da República. Em fevereiro do corrente ano, o presidente Jair Bolsonaro assinou quatro decretos que flexibilizaram o uso e a compra de armas de fogo no país, fazendo jus a uma das principais causas defendidas durante a campanha e o mandato. Em nossa região, entre tantos atiradores desportistas, fica o destaque para o campista Marcelo Campinho. Campinho revela que tudo começou no ano de 2017, quando fez uma filiação ao clube de tiros de Cardoso Moreira, após a primeira aquisição de arma de fogo através da Policia Federal. “Primeiro comprei a arma para defesa pessoal, mas comecei a me interessar pelo tiro esportivo, que tem permissão fornecida pelo exército”.

Apesar da relevante ascensão, o tema ainda é visto com desconfiança. Há quem ainda defenda veemente o estatuto do desarmamento. Entre os principais títulos de Marcelo estão: bicampeão copa CTM, campeão copa CTSF (revólver), campeão copa CTSF (pistola), vice-campeão rifle cal 22 FTRJ e revólver calibre FTRJ. “Por todos os clubes que passei tive premiação, o que é difícil, já que requer bastante dedicação”, disse Campinho.

Perguntado se existe procura pelo público feminino, Marcelo disse: “as mulheres têm procurado bastante os clubes de tiro, vem crescendo o número de mulheres com posse de arma. Ainda existe a ilusão de associar arma a violência, tudo por desconhecimento.

“O esporte não vincula nada a violência, pelo contrário, contribui para o condicionamento físico, melhora a concentração, desenvolve a auto estima, otimiza o equilíbrio, aprimora o auto controle, entre outros benefícios. “O ambiente é familiar, de 15 em 15 dias, geralmente as quartas feiras, é realizado um duelo de segundos. Depois do evento, acontece uma confraternização, onde esposas e filhos participam”.

Outro detalhe importante é o aumento das empresas especializadas em aquisição, porte de arma, renovação de registro, certificado de registro, blindagem e instrução de tiro. Conversei com Fabrício Martins, amigo de infância, sócio proprietário da empresa Express Serviços. Martins confirma o interesse da mulherada em obter o registro de posse de arma de fogo. Destacando que além da aquisição da arma, é importante aprender a manusear, fazer manutenção e praticar. “Essa semana ofereci treinamento para uma policial militar, uma aspirante a tenente do exército, recrutas da polícia militar e alguns clientes que aderiram ao registro de posse de arma”, destaca Fabrício Martins. Podemos observar que a demanda tem crescido de forma exponencial desde que o debate sobre as mudanças na legislação e a crise da violência urbana entrou na pauta do país. Temos visto cidadãos que acreditam que uma arma vai resolver seu problema de segurança, o que na maior parte das vezes não é verdadeiro. Não basta ter uma arma devidamente regularizada. É preciso saber manuseá-la e, principalmente, praticar.

tiro2

 

*Mateus Chagas é formado em direito, gerente de contratos da W Seg e entusiasta do esporte campista