Prefeitura de Campos retoma funcionamento de agências dos Correios

Prefeitura de Campos retoma funcionamento de agências dos Correios

Em reunião na tarde desta segunda-feira (02), o secretário de Governo, Alexandre Bastos,  informou aos funcionários das 24 Agências Comunitárias dos Correios (AGCs) que a Prefeitura de Campos retomará o funcionamento das unidades. As agências suprem as demandas de distritos e localidades afastadas da área central, como Morangaba, Santa Maria e Farol de São Thomé.

Entre lágrimas e sorrisos ao receber a notícia de que a prefeitura, através de uma determinação do Prefeito Rafael Diniz, encontrou um caminho para assumir as AGCs, mesmo com toda dificuldade financeira que o município atravessa, as funcionárias frisaram a importância das agências. 

Laura Angélica Silva Salves, de 60 anos, trabalha na unidade de São Martinho desde 1993, quando substituiu sua mãe, que era voluntária. Para ela, as agências cumprem um papel de extrema relevância na comunidade.

“A agência de São Martinho existe desde 1988. Meu pai lutou muito para a abertura desta agência e minha mãe se ofereceu para ser voluntária para que a comunidade passasse a ter esse serviço. Em 1993, eu comecei a trabalhar lá. Atendo mais de 10 comunidades, sou a única na região que sabe o nome real de todos os moradores, ao invés dos apelidos. Há pessoas lá que trabalham das formas mais simples, na vida rural, mas utilizam e precisam do serviço dos Correios. A prefeitura nos deixou muito felizes hoje. Isso é pela comunidade”, disse Laura.

O secretário Alexandre Bastos explicou a situação financeira delicada do município e relatou que os primeiros esforços foram na busca da sensibilização do governo federal para a manutenção das Agências Comunitárias dos Correios. No último dia 27, foi necessária a suspensão dos serviços por não haver ainda certezas dentro dos meios legais para a manutenção dos serviços.

“O prefeito Rafael Diniz, desde o início, esteve muito sensibilizado com esta situação, por serem mais de 20 famílias que sofreriam com a perda de emprego e porque cada agência fechada impactaria fortemente na vida de centenas de pessoas. Não podíamos criar expectativas sem a certeza de que poderíamos cumprir nossa palavra. Agora, com uma definição dentro da legalidade, podemos, felizmente, dar essa boa notícia aos funcionários e a população”, disse Bastos.