Caio Vianna e Wladimir Garotinho são citados em escutas telefônicas após prisão do grupo de Witzel

Caio Vianna e Wladimir Garotinho são citados em escutas telefônicas após prisão do grupo de Witzel

Caio Vianna e Wladimir Garotinho, ambos pré-candidatos à prefeitura de Campos, foram citados em interceptações telefônicas da Polícia Federal na Operação Favorito, desdobramento da Lava Jato, que aconteceu nesta quinta-feira (14), no Rio, para investigar supostas fraudes em contratações de Organizações Sociais com o governo do Estado, tendo como principal alvo o empresário Mário Peixoto.

Na denúncia do Ministério Público Federal,  os investigadores chegam a falar em “conversa a respeito de compromissos espúrios da organização criminosa com os possíveis candidatos na eleição municipal de Campos". O trecho  em que os pré-candidatos são citados é referente a contratos de OS ligada a Mário Peixoto com a Faetec, onde fica demonstrado uma disputa política para indicação de cargos.

O trecho que envolve os campistas é de uma interceptação telefônica onde são alvos o suposto operador financeiro de Mario Peixoto, Alessandro de Araújo Duarte, e o então vice-presidente da Faetec Gilson Carlos Rodrigues Paulino.

A conversa entre os interceptados do dia 4 de dezembro do ano passado é iniciada com um pedido de Gilson a Alessandro para providenciar um voo de helicóptero para que o primeiro pudesse vir a Campos participar do aniversário de Caio Vianna.

Em nota, o Deputado Federal Wladimir Garotinho esclarece que é citado apenas como pessoa influente na política campista e que teria recebido vagas de emprego na cidade, mesmo contra a vontade do grupo que foi preso hoje. Nos trechos em que o nome do Deputado é citado está claro que o parlamentar não tem vínculo político, e que o candidato deste grupo em Campos é Caio Vianna, por relações antigas e de amizade, tendo inclusive trecho em que cita que o empresário Mário Peixoto teria, por duas vezes, “comprado” Caio Vianna.
As transcrições mostram ainda, que o simples fato de o Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Leonardo Rodrigues, ter oferecido vagas de emprego ao parlamentar deixou alguns membros desse grupo político bastante irritados, pois consideraram munição para o adversário.
O secretário, de fato, ofereceu vagas ao Deputado, pois o parlamentar colocou emendas na secretaria para construção de uma unidade da Faetec em Baixa Grande, na Baixada Campista. Tais indicações seriam para processo seletivo de profissionais, sob realização da própria Faetec.
O Deputado afirma que nunca esteve com Mário Peixoto, que sequer o conhece e que sabe do seu histórico criminoso pois seu pai, o ex-governador Garotinho, já o denúncia desde 2017.”