Cidade suja, sem transporte e com aumento de impostos marcam primeiro ano de governo Wladimir

Cidade suja, sem transporte e com aumento de impostos marcam primeiro ano de governo Wladimir

Eleito por uma diferença mínima de votos no 2° turno das eleições de 2020, que demostrou o pé atrás para milhares de campistas em relação a sua família, Wladimir Garotinho, o atual prefeito de Campos, encerra seu primeiro ano sem conseguir cumprir a promessa de transformação prometida nos palanques e nas redes sociais.

Mesmo tendo um grande trunfo, o apoio do governador Claudio Castro, que tem carregado uma serie de pastas nas costas  e é responsável pela reabertura do restaurante popular e a manutenção dos salários em dia, Wladimir se arrasta e demonstra inabilidade para resolver os problemas sem a ajuda do governador , vejamos os exemplos:

Limpeza pública: Com o seu cunhado Fred Rangel à frente que cuida da limpeza, Wladimir fecha o ano com a cidade mais imunda, e problemas estão em todos os lados. Área central, Guarus, interior.  Matos altos nas praças, limpeza precária nas vias, lixo espalhado pela cidade, um verdadeiro caos. O transporte é digno de pena. Seus 114 técnicos imaginaram que era só tirar os terminais da gestão do ex-prefeito, Rafael Diniz e principal desafeto, que estaria tudo resolvido. Mas foi um grande equívoco, não havia planejamento. Ônibus sucateados e sem fiscalização, vans barradas pela justiça, secretario que não conhece a cidade, não tem projeto, não tem diálogo e muito menos gestão. Talvez, a estratégia seja quebrar as empresas para trazer algum grupo de fora? ( Duque de Caxias?).

Saúde: Wladimir dizia na campanha que 800 milhões era uma fortuna que se gastava com saúde e que ele faria uma gestão de 1° mundo com esse dinheiro. Esse ano de 2021, a saúde fechou com mais de 800 milhões. E o que a prefeitura tem oferecido à população são:  Falta de medicamentos e insumos, pacientes agonizando escondidos em cima de macas, sem camas, para vender uma imagem de “corredor vazio” , mais de 50% das UBS seguem fechadas , descaso com pacientes que tiveram atendimento negado em emergências e denunciaram nas redes sociais . Tenebrosos transações: Alguns contratos da gestão de Wladimir também geram polemica. Na iluminação pública o prefeito encorpou o contrato em 60% e trouxe uma empresa de Duque de Caxias e foi investigada pela PF.

Na manutenção das escolas, o prefeito jogou um contrato de 8,5 milhões para 43 milhões um reajuste de 500% , e isso e porque não teve aula!

Na obra do HGG, a dispensa de licitação também gerou muita polêmica, o vice-prefeito teria uma suposta ligação com os sócios da Agabo empresa que realizará as obras no hospital.

Prefeito dos impostos: Assim é conhecido o atual prefeito de campos. Na campanha, Wladimir prometeu não aumentar os impostos e taxas, porém, quando chegou ao cargo, mudou o discurso. Ele cobrou o polêmico IPTU retroativo, aumentou taxa de lixo, taxa de funeral, e se não fosse a oposição ter derrubado na câmara, ele teria aprovado o novo código tributário com aumento de impostos e taxas em todas as categorias.

Entre as mais de 5 mil cidades do Brasil , campos foi uma das poucas que aumentou os tributos neste período de recessão , crise e pandemia .

Muitas cidades, inclusive, reduziram seus impostos e taxas, principalmente neste momento de economia fraca, desemprego e alta da inflação. Era o mínimo que um governante digno e honrado  poderia fazer pelo povo que o elegeu.

alexandre

 

*Alexandre Manske tem formação superior em processos gerenciais, é estudante de políticas nacionais e é técnico de planejamento integrado

 

 

 

 

 

 

contru

sol

auto