CPI da Covid-19 e o circo de horrores

CPI da Covid-19 e o circo de horrores

alexandreNeste artigo vamos fazer um resumo da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), onde falaremos dos pontos mais relevantes dessa comissão. Tudo começou quando STF (Supremo Tribunal Federal), mais precisamente SR. Ministro Luiz Roberto Barroso, em uma decisão monocrática, intimou ao presidente do senado que fosse aberta uma CPI para apurar a conduta do governo federal na pandemia. Depois de muitas críticas, ele decidiu levar o tema para votação no plenário do STF, onde formou maioria para obrigar o presidente do senado (SR. Rodrigo Pacheco) a abrir esta CPI.  Ironicamente, foram os mesmos ministros do supremo, que hoje interferem no poder legislativo ultrapassando suas competências constitucionais, que decidiram, em abril de 2020, tirar das mãos do governo federal a condução da pandemia e passando para governadores e prefeitos, dando um cheque em branco. Hoje vimos um senado acovardado diante do STF, aceitando todo tipo de interferência do próprio. Isso é um risco para democracia, fere os princípios éticos, o respeito e, principalmente, a tão falada harmonia  entre os poderes.

As primeiras semanas foram marcadas, vergonhosamente, pelo ex-ministro da saúde Mandetta, onde ficou marcado pelas mentiras e contradições em seu depoimento, a todo tempo tentando imputar uma responsabilidade ao governo federal. Exemplo claro dos fatos foi onde o próprio ex-ministro afirma que o Brasil poderia ter começado a vacinação em outubro, uma teoria totalmente desmentida onde a primeira pessoa vacinada no mundo foi no Reino Unido no dia 08/12/2020, e onde o próprio país é o fabricante de vacina, jogando por terra que o Brasil poderia ter vacinado antes. A primeira pessoa vacinada no Brasil foi em 17/01/2021, ou seja, uns dos primeiros países da América do Sul a começar a vacinar pouco mais de um mês da primeira pessoa vacinada no mundo. O próprio Mandetta foi o responsável por orientar que as pessoas só fossem ao hospital depois que sentirem falta de ar, onde ceifou milhares de vidas. E mais vergonhoso ainda é ver o ex-ministro e o presidente da CPI o Senador Omar Aziz, que é investigado por desvio de 260 milhões de reais da saúde, por tentar passar a responsabilidade para um governo que foi retirado sua autonomia constitucional de conduzir a pandemia chega ser uma ironia.

Depois de ouvir outros ex-ministros da saúde e testemunhas, o relator da CPI (Renan Calheiros –MBD , réu em 27 processos em diversos crimes, inclusive  lavagem de dinheiro e corrupção), o presidente da CPI (Omar Aziz –PSD , suspeito de desvio da saúde de 260 milhões de reais e de receber propina da OS , suspeito de pedofilia em 2005, segundo a jovem Pam, e o vice presidente da CPI (Randolfe Rodrigues- Rede AP-  ex-PT e Psol  delatado na lava jato por receber 200 mil de Alberto youssef), partiram ao ataque contra o uso da cloroquina e ivermectina, onde foi criado uma narrativa querendo a todo custo atribuir as mortes ao governo federal, pois ele é defensor do tratamento precoce com os fármacos. Foram ouvidas diversas testemunhas contra e a  favor do tratamento precoce, ficou nítido a diferença de tratamento por parte da cúpula da CPI que fazem oposição ao governo. Quem assistiu a CPI, viu um verdadeiro CIRCO DE HORRORES , onde médicos respeitados como DRA. Nise Yamaguchi foram humilhados e ameaçados de prisão por não falar aquilo que os senadores citados acima queriam ouvir. A Dra.  afirma ter sido vítima de misoginia, preconceito e humilhação a durante oitiva  da CPI da Pandemia e pede 320 mil reais de indenização, isso foi só um exemplo dos casos que aconteceu . Muito me espanta a negativa dos líderes da CPI, em negar o pedido de convocação de Carlos Gabas, Secretário do consórcio do Nordeste, consorcio este investigado por desviar bilhões de reais e suspeito de superfaturar respiradores, vacinas que nem foram entregues ainda, medicamentos, etc,  matando milhões de pessoas, onde tem governador como filho do Renan Calheiros o relator da CPI que suspeito de desviar dinheiro da covid . Mas voltando o episódio do tratamento precoce demonizado pela esquerda e pela mídia militante , foi apresentado protocolos dos estados para uso da cloroquina, ivemectina , como tratamento precoce em quase todos estados da federação inclusive vídeos expostos na CPI, os governadores como Renan filho, em Alagoas, e Doria de SP, orientando o tratamento com cloroquina, e ainda, apresentado pelo ex-ministro Pazuello protocolo da cloroquina em 13 países. Sendo assim, enterrando a narrativa de querer imputar um crime ao governo federal de recomendar o tratamento, hoje estamos acompanhando diversos estudos sobre os medicamentos inclusive existe um estudo preliminar da faculdade de Oxford que aponta uma redução de 75% da carga viral. No momento o estudo, como e de praxe, está sendo revisado. Não bastando as barbaridades nessa CPI, chegou a vez da PFIZER, onde o governo foi acusado de não responder os e-mails enviado pelos representantes da vacina, mas como toda narrativa imputada, não seria diferente o resultado , o representante da Pfizer na américa latina fez a seguinte declaração :”não havia como o governo federal comprar os vacinas, pois depende de projeto de lei aprovado pelo congresso e aval da Anvisa para conclusão da compra”, essa declaração foi tapa sem mão na cúpula da CPI, pois destrói todas as narrativas impostas no momento sem contar que foi apresentado na CPI um documento de compra da PFIZER 17 dias depois que foi aprovado na Anvisa e congresso. E o melhor, a quantidade renegociado de 30 para 100 milhões de doses, não estando satisfeitos sem conseguir imputar um crime ou responsabilidade foi a vez da Covaxin, onde tentam imputar um crime de corrupção ao governo de um contrato que não foi efetivado, não foi pago nem 1 real.Havia uma negociação entre a Covaxin e o governo para compra de vacina onde foi elaborado um contrato e o mesmo continha erros, o presidente foi avisado numa quinta-feira sobre os erros, na sexta informou o ministro da saúde e o contrato foi corrigindo na terça onde cada dose saiu por 15 dólares, o mesmo preço oferecido a 13 países. Não satisfeitos, afirmaram que a Covaxin ofereceu as doses por 1,34 dolares, mas como toda narrativa imputada do começo ao fim, não deu certo. O próprio representante da Covaxin enviou um documento explicando que o preço de 1,34 dólares  apresentado é referente ao comercio interno da Índia e que o preço de 15 dolares oferecido para 13 países inclusive o Brasil e que o preço está correto pois inclui taxa , impostos e logística de transporte , depois dessa bomba ficou nítido o nervosismo da cúpula da CPI , extremamente irritados por não conseguir imputar crime ou qualquer responsabilidade ao governo , solicitaram mais 60 dias de CPI , esse circo só serviu para concluir que o STF já tinha concluído no início da pandemia que todas as mortes, aumentos de preços, a fome e miséria são de responsabilidade dos governadores, prefeitos e governos anteriores que preferiram construir  estádios do que hospitais, pois genocida e quem desvia dinheiro da saúde, e não o envia.

*Alexandre Manske tem formação superior em processos gerenciais, estudante de políticas nacionais e é técnico de planejamento integrado

 

 

Propogandas coluna Alexandre