Possível fechamento do heliporto do Farol é pauta política na Câmara de Campos

Possível fechamento do heliporto do Farol é pauta política na Câmara de Campos

A sessão plenária desta terça-feira (3) da Câmara de Vereadores de Campos recomeçou os trabalhos legislativos numa espécie de disputa política pela permanência  do heliporto da Petrobras no Farol de São Thomé.

 Tudo teve início após os vereadores tomarem conhecimento do requerimento do vereador Igor Pereira (PSB) pedindo ao prefeito Rafael Diniz (Cidadania) imediata intervenção para a renovação do termo de uso da base aérea pela companhia.

Líder do governo na casa, o vereador Genásio (PSC) disse que não foi e nem assinou o documento porque a pessoa que fez circular não me merece confiança. “Era um documento apenas oficioso, não oficial, e o prefeito já encaminhou ofício ao presidente da Petrobras solicitando uma audiência para resolver essa questão”, defendeu.

Após declaração do vereador Paulo Arantes de que, quem apoia o governo Diniz “só pode está levando alguma vantagem”, o vereador Abu (Cidadania) disse que respeita o posicionamento de qualquer um dos edis, mas afirmou que não apoia o governo para levar vantagem e não é corrupto. “Se alguém tem alguma acusação de desvio de conduta de minha parte, que suba a tribuna com provas. Faço este desafio”.

Prefeitura de Campos e Petrobras ainda não chegaram a um acordo em relação ao heliporto do Farol. Entre as propostas de contrapartida do governo à Petrobras estariam também às condições para a implantação de uma Zona Especial de Negócios (ZEN) no Farol.