Pré-candidato, Caio Vianna nega “herança maldita” deixada pelo pai e critica gestão de Rafael Diniz

Pré-candidato, Caio Vianna nega “herança maldita” deixada pelo pai e critica gestão de Rafael Diniz

O jovem Caio Vianna, filho do ex-prefeito de Campos, Arnaldo Vianna, é o penúltimo entrevistado da série de entrevistas com os principais pré-candidatos à Prefeitura de Campos nas eleições de 2020.

Em entrevista ao jornal Notícia Urbana, Caio reconheceu ser pré-candidato e disse o porquê quer ser prefeito de Campos, mesmo tendo ciência de que, caso seja eleito, encontrará uma prefeitura com muitas dificuldades financeiras. “Eu tenho uma história com Campos e um compromisso com a minha cidade. Precisamos de um representante que tenha credibilidade, honesto, comprometido com as pessoas, disposto a enfrentar os principais desafios”, disse.

Na reportagem de domingo passado, o jornal NU entrevistou o também pré-candidato Gil Vianna. Naquela ocasião, Gil classificou como uma verdadeira “tragédia”, caso tivesse sido eleito vice de Caio e que Campos poderia estar num contexto pior do que está atualmente. Em relação às declarações de Gil, Caio reitera que entende a razão para isso, já que Gil Vianna também já se apresentou como pré-candidato à prefeitura, logo, é um concorrente. “É natural que ele tente desgastar a minha imagem. Em 2016 existia uma aliança política e essa aliança foi desfeita”, ressaltou.

Durante a sabatina, Caio foi questionado sobre as alegações do prefeito Rafael Diniz, que tem dito que Campos vivencia a pior crise financeira da história “graças” a “herança maldita” deixada pelas administrações anteriores, inclusive pelo ex-prefeito Arnaldo Vianna, que também teve inúmeras denúncias de corrupção. Questionado se Arnaldo teve sua parcela de contribuição negativa para a realidade em que a cidade se encontra, Caio Vianna foi enfático. “Rafael Diniz não teve competência de gestão. Arnaldo Vianna tem a administração mais bem avaliada da história de Campos e entregou a cidade para o sucessor excepcionalmente bem”, garante Caio, acrescentando que, diferente das últimas eleições, ele terá apoio dos pais no pleito de 2020. “Terei o apoio do meu pai e da minha mãe. Sobre o vice, ainda falta um ano para a eleição e estou trabalhando para construir uma aliança consistente, realmente empenhada em reconstruir Campos”.

Em 2016, a chapa composta por Caio e Gil Vianna ficou em terceiro lugar na eleição para prefeito com 31360 votos. Perguntado sobre o que faria diferente do atual governo, caso tivesse sido eleito prefeito da maior cidade do interior do Estado, o jovem político destaca. “Eu iria me preocupar em administrar a máquina de uma forma que os servidores não ficassem com salários atrasados, que os fornecedores fossem pagos, que os programas sociais não fossem descontinuados, deixando a nossa população vulnerável nesse momento de tanta instabilidade e desemprego. Não existe milagre na gestão pública. Existe experiência, honestidade e comprometimento com a gestão”, declara Vianna, dizendo que Campos precisa de renovação. “Campos precisa de alguém disposto a cuidar das pessoas, com credibilidade e confiança, alguém disposto a reconstruir a cidade”.

No próximo domingo (9), o jornal Notícia Urbana vai finalizar essa rodada de entrevistas com os principais pré-candidatos à prefeitura de Campos. Acompanhe acessando nosso site ou nas redes sociais.