Tribunal de Justiça quer informações sobre possível enriquecimento ilícito de amigos de Wladimir Garotinho

Tribunal de Justiça quer informações sobre possível enriquecimento ilícito de amigos de Wladimir Garotinho

O desembargador Arthur Narciso de Oliveira Neto, do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio), deu prazo de 10 dias para o prefeito Wladimir Garotinho prestar todas as informações, no âmbito de um mandado de segurança sobre possível enriquecimento ilícito por parte do empresário Rafael Guimarães de Almeida. Além de Rafael, que é amigo do prefeito Wladimir e franquiado das lojas Osklen, na Avenida Pelinca, e Carmen Steffens, no Shopping Avenida 28, o também empresário Eduardo Azevedo, o Dudu Azevedo, são apontados como suspeitos.

Os dois fazem parte da safra de emergentes que gravitam nos corredores das administrações municipais.

O pedido pede esclarecimentos sobre eventuais empenhos ou notas fiscais de gastos do município com a personalidade jurídica Construnor Empreendimentos Comerciais e Serviços Ltda-ME, Santa Casa de Misericórdia de Oliveira de Campinhos ou do Instituto de Saúde Nossa Senhora da Vitória (INSV). 

Nas redes sociais, tanto Rafael como Dudu declararam apoio incondicional ao prefeito Wladimir durante o período eleitoral.

De acordo com fontes do jornal Notícia Urbana ligadas a Rafael, que também foi um dos envolvidos na Operação Telhado de Vidro, estava falido até Wladimir Garotinho ganhar a eleição. Com menos de um ano de o amigo Wladimir à frente da administração municipal, Rafael Guimarães ampliou a casa em um luxuoso condomínio de Campos e possui carros que dão um total de aproximadamente R$ 800 mil. Em uma das lojas, o valor do aluguel é de cerca de R$ 20 mil.

O pedido tem lugar para instrução de Ação Popular visando a nulidade dos atos administrativos lesivos à administração, relativos a nebulosidade e pelo fato do casal (empresário e esposa) ser amigo íntimo do prefeito e ostentar sinais exteriores de riqueza após a eleição e posse do atual prefeito da cidade, juntamente com o seu chefe de gabinete Eduardo Silva Azevedo, também conhecido como Dudu Azevedo”, diz um trecho do pedido.